Ensaio de Carregamento Dinâmico (PDA)

Determina a capacidade de qualquer tipo de estaca de fundação de maneira muito mais rápida e econômica do que as tradicionais provas de carga estáticas.
É realizada durante a cravação ou numa recravação da estaca, usando o próprio martelo de cravação.
Consiste na colocação de quatro ou mais sensores na parte superior da estaca, presos por meio de parafusos. Os sensores são reaproveitáveis.
Os sinais dos sensores são enviados para o PDA através de cabo ou através de sinal de rádio.
O PDA processa e armazena os sinais, além de calcular e exibir vários dados de interesse, após cada golpe do martelo. As principais informações fornecidas pelo PDA em tempo real são:
O
Capacidade de carga calculada pelo método simplificado CASE. Este método se aplica a estacas uniformes, e fornece uma estimativa preliminar da capacidade de carga da estaca na ocasião do ensaio.
O
Integridade da estaca - o ensaio é capaz de detectar e quantificar defeitos e falhas estruturais ao longo da estaca.
O
Tensões máximas provocadas pelo golpe, ao longo da estaca.
O
Energia transferida para a estaca, o que permite avaliar a eficiência do sistema de cravação.
Os sinais obtidos em campo são posteriormente submetidos à análise CAPWAP®, que fornece a capacidade de carga com exatidão, determinando a distribuição de atrito lateral ao longo do fuste e a contribuição de ponta, além de prever a curva carga-recalque de uma eventual prova de carga estática executada na estaca naquele momento.
No caso de estacas moldadas "in loco" é utilizado um martelo de queda livre, sendo recomendada a utilização de um pilão com peso equivalente a 1,5 % a 2,0% da carga de ruptura prevista. É necessária a execução de bloco no topo da estaca, com ferragem especial para suportar a aplicação dos golpes, e a colocação de chapas de madeira compensada no topo do bloco.